Propriedades da Saponária

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Saponária
Nome popular: Saponária.
Nome científico: (Saponaria officinalis, Bootia vulgaris, Lychnis officinalis).
Família: Cariofiláceas.
Outro nome: Saponária-das-boticas.
Descrição: planta herbácea, de uns 60 centímetros de elevação. Rizoma rasteiro, muito ramificada, da espessura de um dedo.
Haste: erecta, cilíndrica, nodosa, pouco ou nada ramificada.
Folhas: opostas, sésseis; as inferiores curtamente pecioladas; ovais, ou alongado-lanceoladas, inteiras, verde-amareladas, com 3 nervuras longitudinais.
Flores: grandes, aromáticas, róseo-pálidas. Cálice cilíndrico, gamossépalo, com 5 dentes desiguais. Corola de 5 pétalas.
O fruto: é uma cápsula deiscente, unilocular, alongado. Sementes reniformes.
Uso: indicada nos seguintes casos: atonia digestiva, clorose, gota, icterícia, reumatismo crônico, sífilis.
É, além disso, depurativa, diurética, sudorífica.
Externamente, usa-se em banhos, nas dermatoses. Nos tumores ganglionares usam-se as folhas cozidas, como resolutivas, em cataplasmas. O decocto se emprega em gargarejos nos casos de anginas, faringite, etc.
Parte usada: Folhas e raízes.
Dose: uso interno: - folhas, 20 gramas para 1 litro de água; raízes, 30 gramas para 1 litro de água. Uso externo: - folhas e raízes, 50 a 60 gramas.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.

Continue Lendo...

Propriedades da Salsaparrilha

sábado, 25 de outubro de 2014

Salsaparrilha
Nome popular: Salsaparrilha.
Nome científico: (smilax medica, Smilax officinalis, Smilax syphilitica, Smilax peruviana, Monoecia herandria).
Família: Liliáceas.
Outros nomes: Salsaparrilha, sarza, zarza, salsaparrilha-das-boticas, salsa-americana.
Descrição: Planta sarmentosa. Apresenta um rizoma lenhoso, pouco volumoso, cheio de nós e entrenós, e cheio de raízes flexíveis.
Haste: glabra, ligeiramente angulosa e estriada, apresentando, nas articulações, espinhos recurvados, de base larga.
Folhas: pecioladas, alternas, acuminadas, lisas, cordiformes tão salientes que parecem trilobadas.
Os pecíolos são dotados de duas gavinhas filiformes, espiraladas.
Inflorescência em umbelas simples, axilares, de 8 a 12 flores.
Frutos: em forma de bagas, contendo, cada uma, uma a três sementes.
No Brasil há muitas espécies de salsaparrilhas conhecidas pelo nome de japecanga. São a smilax japecanga, e Smilax syringoides, e Smilax brasiliensis. Todas têm quase as mesmas aplicações na medicina popular. As melhores são as de sabor mais forte e nauseante.
Uso: é uma planta depurativa, diurética, sudorífica. Aplica-se nas enfermidades venéreas, exantemas, gota, reumatismo, sífilis.
Parte usada: Raiz, por decocção.
Dose: normal.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Continue Lendo...

Propriedades do Saião

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Saião
Nome popular: Saião.
Nome científico: (kalanchoe brasiliensis).
Família: Crassuláceas.
Descrição: Subarbusto. Ramos cilíndricos empubescidos, herbáceos.
Folhas: ovais, lanceoladas no meio do caule, redondas na parte inferior, serrilhadas nas extremidades dos ramos.
Flores: róseas. Assemelha-se muito à erva-da-costa da Bahia, ao paratudo de Alagoas, à folha-da-fortuna e à coerana de Pernambuco. Mas não é a mesma planta.
Uso: emprega-se o suco das folhas, topicamente, contra aftas, calos, erisipelas, feridas, frieiras, picadas de insetos, queimaduras, tumores, úlceras, verrugas.
O suco ou xarope da planta é também usado, empiricamente, contra a tuberculose pulmonar.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Continue Lendo...

Propriedades da Quássia

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Quássia
Nome popular: Quássia.
Nome científico: (Quassia amara).
Família: Simarubáceas.
Outros nomes: Quássia-amarga, quássia-de-caiena, pau-de-surinã.
Descrição: arbusto de uns 3 metros de altura. Casca cinzenta. Lenho branco amarelado.
Folhas: alternas, compostas de três ou cinco folíolos sésseis, oblongos, ponteagudos, glabros, inteiros. Pecíolo comum, alado.
Flores: escarlates, em cachos.
Fruto:  semelhante ao do cafeeiro.
Uso: é indicada na blenorragia, cálculos do fígado e dos rins, debilidade do estômago, dispepsia, espermatorreia, flatulência.
Prepara-se por maceração. Põem-se 5 a 6 gramas de casca ou raiz em 1 litro de água. Deixam-se repousar durante alguns dias, até que a água fique bem impregnada dos princípios ativos da planta. Toma-se uma pequena xícara entre uma e outra refeição.
Quando se trata de diarreia, escusado é dizer, suspendem-se as refeições até que a diarreia passe.
As raspas, de molho em meio litro de água quente (pequena infusão), durante meia hora, são indicadas contra o oxiúro.
Uma hora antes, porém, deve tomar-se uma lavagem de dois litros de água meio morna, em que se tenha dissolvido uma colherada de sal de cozinha.
Parte usada: Casca e raiz.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Continue Lendo...

Propriedades do Pacová

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Pacová
Nome popular: Pacová.
Nome científico: (Renealmia brasiliensis).
Família: Zingiberáceas.
Outros nomes: Paco-seroca, pacová-catinga, cuité-açu.
Descrição: Planta herbácea.
A haste: erecta, é constituida pelos pecíolos das próprias folhas, os quais partem do solo.
Folhas: inteiras, lanceoladas, peninervadas. Inflorescência em cacho. O ráquis parte do solo, em separado do caule.
Uso: positivamente antelmínticas são as sementes de muitas Renealmias, que o vulgo denomina, genericamente, "pacová".
A Renealmia brasiliensis K. Schum é largamente usada aqui no sul do Brasil, onde cresce nas matas úmidas da Serra do Mar.
Acredita-se que sua ação vermicida é devida ao óleo etério que as sementes encerram em porcentagem apreciável.
Usa-se um punhadinho de sementes em infusão. Toma-se o chá.
Os rizomas são carminativos, estomáquicos, excitantes.
Preparam-se um chá com 10 gramas de rizoma para 1 litro de água.
Externamente o chá das cascas ou rizomas (50 gramas para 1 litro de água) é usado para banhar feridas e para desinfetar inchaços e contusões.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Continue Lendo...

 
Carregando...

Encontre-nos no Facebook

Seguidores

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Visitantes