sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Propriedades do Amor perfeito

Amor perfeito
Nome popular: Amor perfeito
Nome científico: (Viola tricolor, Viola arvensis)
Família: Violáceas.
Outros nomes:  Flor-da-trindade, violeta-de-três-cores.
Descrição: Planta glabra ou aveludada, dum verde-amarelo-pálido, 15 a 25 cm. Raiz fibrosa, haste ramosa, especialmente na base, difusa, mais ou menos erecta, angulosa, triangular, tenra, fistulosa, lisa.
Folhas: alternas de pecíolo triangular, algo canaliculado superiormente, ovais, obtusas, crenadas: as inferiores são acompanhadas de duas estípulas opostas, foliáceas, penatipartites; de lobos laterais lineares, lanceolados; o terminal é maior, oblongo, inteiro ou dividido.
Flores: solitárias, inclinadas sobre longos pedúnculos axilares. Apresentam diversas cores: amarelo, violeta, róseo, etc. Cálice de 5 sépalas oblongas, agudas. Corola de 5 pétalas irregulares.
Fruto: é uma cápsula ovóide, oblonga, trígona, glabra, abrindo-se por 3 valvas. Sementes numerosas, pequenas, ovóides, brancas.
Uso: É um vegetal de bom efeito como depurativo e peitoral. É indicado nas afecções cutâneas: erupções miliares, eczema, impetigem, herpes, manifestações escrofulosas, etc. Para estes fins, toma-se chá e reforça-se a ação interna, fazendo-se loções ou aplicando-se compressas. Emprega-se também o amor-perfeito, com sucesso, contra o reumatismo articular, aumentando-se um pouco a dose.
Parte usada: Folhas e flores.
Dose: Folhas, 20 gramas; flores, 10 gramas em 1 litro de água; 3 a 4 xícaras ao dia.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Leia mais...

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Propriedades da Bolsa de pastor

Bolsa de pastor
Nome popular: Bolsa de pastor
Nome científico: (Capsella bursa pastoris)
Família: Crucíferas
Descrição: planta herbácea, de até 60 cm de altura.
Folhas: empubescidas, de forma variável, a saber, partidas (as inferiores), oval-lanceoladas (mais acima), etc.
Flores: brancas em cachos.
Frutos: cordiformes, com a parte estreita ligada ao pecíolo.
Uso: esta planta é um poderoso adstringente.
Parte usada: Folhas e raízes.
Indicações: indicada nos casos de vômitos e escarros de sangue, disenterias, regras abundantes, hemorragias nasal, hemorragia uterina. Para esses fins, usam-se 20 a 30 gramas de folhas ou raízes para 1 litro de água, por infusão.
O suco fresco da planta, tomado em jejum, 30 gramas em um copo de água, é bom para combater a blenorragia. Na falta da planta fresca, pode-se usar, para o mesmo fim, a planta seca, na dose de 100 gramas para 1 litro de água. Toma-se em jejum.
Aplica-se o suco fresco da planta, topicamente para curar a supuração dos ouvidos.
A planta fresca, machucada, aplicada em forma de cataplasma, sobre partes doloridas e inflamadas, alivia a dor e a inflamação.
Em gargarejos, na dose de 30 gramas para 1 litro de água, usa-se a bolsa-de-pastor para curar as inflamações da garganta.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Leia mais...

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Propriedades da Alfavaca (manjericão)

Propriedades da Alfavaca (manjericão)
Nome popular: Alfavaca
Nome científico: (Ocimum basilicum)
Família: Labiadas
Outros nomes: Alfavaca-da-américa, remédio-de-vaqueiro, manjericão-de-folha-larga.
Descrição: Planta herbácea, muito cheirosa.
Folhas: ovais ou oval-clípticas, longipecioladas, Inflorescência em espigas.
Fruto: aquênios.
Uso: As folhas são aromáticas, estimulantes, carminativas, antieméticas, sudoríficas e diuréticas.
Aplicam-se nos seguintes casos: Ardor na urinação; debilidade dos nervos; digestão dificultosa; enfermidades dos intestinos, estômago e rim; febres, tosse, ventosidades. Empregam-se 10 a 15 gramas, por infusão.
Externamente usa-se para gargarejos em casos de dor de garganta, angina, aftas, etc. As folhas amassadas são boas para curar feridas.
Com o chá das folhas, ou com o chá das sementes em maceração, preparam-se compressas que as mães lactantes aplicam sobre os bicos dos seios afetados.
Com a raiz prepara-se um xarope para combater a tuberculose pulmonar.
Parte usada: Folhas e sementes.
Dose: 10 a 15 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Leia mais...

sábado, 14 de junho de 2014

Propriedades do Alcaçuz

Alcaçuz
Nome popular: Alcaçuz
Nome científico: (Periandra dulcis)
Família: Leguminosas.
Outros nomes: Periandra, urucu-huê, alcaçuz-da-terra, raiz-doce.
Descrição: o alcaçuz é um arbusto que dá em campos altos e pedregosos.
É comum em Minas Gerais. Folhas compostas. Folíolos oblongos ou lanceolados, glabros, com nervura saliente. Flores em racimos terminais. Raiz adocicada.
Uso medicinal: é uma planta resolutiva, laxativa, diurética, expectorante, calmante.
Uso: usa-se nas inflamações do ventre e das vias urinárias, nos defluxos, catarros crônicos, congestão hepática, dispnéia.
A raiz seca, reduzida a pó, e misturada com um pouco de farinha de trigo, aplica-se, em forma de cataplasma, sobre as partes afetadas pela erisipela, para acalmar a dor.
Parte usada: raiz, por decocção.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Leia mais...

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Propriedades da Acariçoba

Acariçoba
Nome popular: Acariçoba
Nome científico: (Hydrocotyle umbellata, Hydrocotyle bonariensis – A segunda é sub-espécie da primeira)
Família: Umbelíferas.
Outros nomes: Erva-do-capitão, barbarosa, acaciroba, acaricaba.
Descrição: Planta rasteira, com grande folhas longipecioladas, crespas, peltadas, e inflorescência ramosa.
Flores: esbranquiçadas.
Frutos: pequeninos, com duas sementes dentro, em forma de cápsula chata.
Vegeta nas proximidades das águas.
Uso medicinal: é aperiente, desobstruente, diurética, emética (em dose elevada), tônica.
O decocto da raiz usa-se para: afecções do baço, fígado e intestino, diarreia, hidropisia, reumatismo, sífilis.
Das folhas não se faz uso interno.
Afirma-se que são venenosas.
Exteriormente: se usa o decocto da planta toda para combater as sardas e outras manchas da pele.
Parte usada: Toda a planta.
Fonte: As plantas curam.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Leia mais...