domingo, 27 de novembro de 2016

Propriedades do: Cajá

Cajá (Spondias mombin L.)
Nome popular: Cajá
Nome científico: (Spondias mombin L.).
Origem: América Tropical.
Nomes comuns: Cajá-mirim, cajá, taperibá, taperabá, imbuzeiro, cajazeira, cajá-pequeno, etc.
Família: Anacardiaceae.
Apresentação:  Planta  com porte de até 25 metros de altura, folhas pinadas, com uma variação de 5 a 11 pares de folíolos, opostos. Possui flores com inflorescências em cachos, despontam na extremidade dos ramos com flores pequenas de coloração branca e bastante melíferas e frutos  suculentos, de coloração amarela quando estão maduros, azedo, bastante utilizado na região norte e nordeste do Brasil. Originária da região tropical do continente americano. Seus frutos são muito apreciados pelo excelente sabor de sua polpa. Utilizada no tratamento de problemas ósseos, além de ser também fortificante, estimulante, revitalizante e energético. Rico em cálcio, fósforo, potássio, carboidratos e vitaminas A, B e C. Rico em betacaroteno, composto que atua na proteção da pele e mucosa. Portanto só tem benefícios no uso deste fruto, e suas funções medicinais é muito apreciada pelas pessoas que fazem seu uso.
Uso: Devido a sua acidez, normalmente, não é consumido ao natural. Também é utilizado na forma de polpa, suco, picolé, sorvetes.
Uso medicinais: Rico em sais minerais como: cálcio, fósforo e ferro, também é rico em vitaminas A, B1, B2 e C., e em fibras e glicídios. Indicado para estresse, inflamações na garganta, insônia, fadiga  e cansaço mental
Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.
Compartilhar:

domingo, 20 de novembro de 2016

Propriedades da Cagaita

Cagaita (Eugenia dysenterica DC.)
Nome popular: Cagaita
Nome científico: (Eugenia dysenterica DC.).
Origem: Brasil - Cerrado
Nomes comuns: Cagaita, Cagaiteira.
Família: Myrtaceae
Apresentação: A cagaiteira ou cagaita é uma espécie da família botânica Myrtaceae, a mesma família das goiabas, araças, pitangas, gabirobas e eucaliptos. As flores são pequenas, de 1,5 a 2 cm de diâmetro. Os frutos são levemente achatados e tem de 2 a 3 cm de diâmetro, pesam de 14 a 20 gramas e contém de 1 a 3 sementes brancas. A planta pode alcançar até 10 metros de altura e o tronco pode ter até 40 cm de diâmetro, com casca suberosa e fendida, com aparência de blocos bem definidos e sobrepostos. A cagaiteira ocorre no Cerrado, nos estados de Tocantins, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e, Distrito Federal. Em geral, ocorre com maior abundância no cerrado sentido restrito, mas também ocorre em cerradões, tendo sido registrado até 160 plantas com diâmetro acima de 3,0 cm em um hectare. Ocorre também em porções dos biomas Caatinga e Pantanal. A floração é sincronizada, com todas as flores abertas em período menor que três semanas, caracterizando uma “explosão” de flores e ocorre de julho a setembro, quando também despontam as novas folhas. A frutificação inicia no espaço de um mês após a floração, entre agosto e outubro, no final da estação seca. A polpa é levemente ácida, consumida por macacos e saguis, que contribuem para espalhar as sementes, que assim podem originar novas plantas. Uma cagaiteira produz de 500 a mais de 2000 frutos por ano, que são altamente perecíveis. Após o plantio, a cagaiteira leva, em média, cinco anos para iniciar a produção de frutos. Porém, poucas plantas (5%) já reproduzem com cinco anos de idade. Somente com 10 anos ou mais de idade metade das plantas estarão frutificando. As flores da cagaiteira são visitadas por abelhas nativas do gênero Scaptotrigona, que podem ser as polinizadoras, assim como as mamangavas.  Abelhas europeias também visitam as flores, produzindo um mel de coloração clara.
Uso: Por ser bastante perecível há pouca comercialização dos frutos frescos, principalmente em feiras. A comercialização predominante é na forma de polpa congelada. O principal aproveitamento da cagaiteira vem dos frutos, importantes na culinária do Cerrado. Os frutos podem ser consumidos in natura ou usados para a retirada da polpa, que é utilizada para o preparo de licores, refrescos, sorvetes, sucos, geleias e doces.
Uso medicinais: Os frutos da cagaiteira tem efeito laxante, principalmente quando muito maduros ou fermentados. As folhas são  utilizadas, na forma de garrafadas, com finalidade antidiarreicas e para combater problemas cardíacos. As folhas também são usadas para o preparo de chás constipantes e para diabete e icterícia. A casca é utilizada para tratar diarreia, diabetes e icterícia. A entrecasca é usada para preparar chá com ação anti-inflamatória, e a infusão de flores para os rins.
Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.




Compartilhar:

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Propriedades da Biribá

Biribá (Rollinia mucosa Baill.)
Nome popular: Biribá
Nome científico: (Rollinia mucosa Baill.).
Origem: Região Amazônica
Nomes comuns: Baru, barujo, bugueiro,  etc.
Família: Annonaceae
Apresentação: Trata-se de uma árvore pequena com até 8 metros de altura, ramos pilosos quando jovens.
Folhas até 15 centímetros de comprimento e Flores verdes externamente e róseas internamente.
Frutos de casca rígida e polpa macia, de textura fina e sem granulações.
Seu sabor doce e suave, muito agradável.
Cultivado em solos férteis, bem drenados e com bom teor de húmus exposto diretamente a radiação solar exigente em termos de adubação, como outras annonáceas. Muito sensível, requer cuidados especiais de pós-colheita para não estragar. Rica em vitamina C e potássio.
Uso: Frutos refrigerados, cortados em metades e consumidos com o auxílio de uma colher são deliciosos. De sabor doce e agradável, geralmente é consumido in natura, mas também é comercializado em forma de sorvetes e refrescos.
Uso medicinais: Indicada no tratamento do Enterocolite que é uma inflamação do intestino delgado e do cólon, responsável por provocar cólicas,  diarreia,  vômitos, mal-estar e febre. A enterocolite aguda é uma inflamação bacteriana ou viral. Neste caso, as semente do biribá, fazem milagres e aliviam muito os sintomas.
Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.


Compartilhar:

Propriedades da Baru

Baru (Dipteryx alata)
Nome popular: Baru
Nome científico: (Dipteryx alata)
Origem: Cerrado brasileiro (Mata Atlântica)
Nomes comuns: Baru, barujo, bugueiro, cambaru, castanha-de-bugre, cumari, pau-cumaru, etc.
Família: Leguminosae-Mimosoideae
Apresentação: Trata-se de uma árvore de grande porte, com fruto peculiar. Árvore de até 25 metros de altura com tronco que pode atingir até 70 centímetros de diâmetro, copa densa e arredondada, de madeira resistente e folhas compostas por 6 a 12 folíolos, glabras, de coloração verde intensa.
Possui flores pequenas, de coloração esverdeada que surgem de outubro a janeiro e florescem de outubro a janeiro.
Futo é um legume lenhoso, castanho com uma única amêndoa comestível, que amadurece de setembro a outubro. Suas sementes são uma iguaria muito apreciada e nutritiva, embora sua dureza dificulte sua obtenção. A árvore é perenifólia, heliófita, de terrenos secos.
Uso: Consumida in natura, ou como geleia, doce, licor, etc. Possui um gosto muito parecido com o amendoim e é usado em diversos pratos na culinária e em pães e aperitivos.
Uso medicinal: Usada no combate dos processos inflamatórios e doenças crônico-degenerativas, tais como artrite, câncer, diabetes, hipertensão e enfermidades cardiovasculares.
Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.


Compartilhar:

domingo, 26 de junho de 2016

Propriedades do Bacupari

Bacupari (Rheedia Brasiliensis)
Nome popular: Bacupari.
Nome científico: (Rheedia Brasiliensis).
Origem: Amazônia e Mata Atlântica.
Nomes comuns: bacupari, bacopari, saco-pari, vacapari, vacopari, etc.
Família: Gu-tiferáceas.
Apresentação: Seu nome vem do tupi guarani e significa "fruta que cai" e o adjetivo PARI - o que cerca, pelo fato dos indios o cultivarem para cercar suas roças.
Apresenta boa adaptabilidade tanto em solos mais secos como em solos mais úmidos, nos quais melhor se adaptam.
A planta possui ótimo valor ornamental, principalmente quando em frutificação pois fica carregada de frutos redondos e amarelos contrastando com a folhagem verde-escura.
Fruto globoso de 3,0 - 4,0 centímetros, pesando 20 gramas, de casca lisa, fina e amarelo-alaranjada.
Sua polpa é muito suculenta, branca e levemente ácida, muito refrescante.
A planta é uma arvoreta de 1,5 - 2,0 metros que inicia a produção com menos de 1,0 metro de altura.
Uso medicinais: indicada no tratamento do aparelho urinário, inflamação, nevralgia, reumatismo, úlcera gástrica, etc.
Uso: Seu fruto é consumido ao natural, ou sob a forma de de sucos e sorvetes.
Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.


Compartilhar:

Propriedades do Babaco

Babaco (Vasconcellea x heilbornii)
Nome popular: Babaco.
Nome científico: (Vasconcellea x heilbornii).
Origem: Brasil, Peru, Equador, etc.
Nomes comuns: Babaco, Mountain Papaya.
Família: Caricaceae.
Apresentação: Ela pode crescer em altitudes elevadas (acima de 2.000 m), e é a planta mais tolerante ao frio na Vasconcellea género.
O babaco é classificado como um arbusto herbáceo como Carica papaya (mamão ou papaia), mas ao contrário de mamão produz apenas flores femininas.
A planta babaco pode produzir a partir de 30-60 frutos por ano, e tem uma vida média de cerca de oito anos. A pequena planta é mais adequado como um espécime de contentores do que seu primo, o papaya , que precisa de umidade constante e altas temperaturas para sobreviver.
É uma pequena, linear ou pouco ramificada árvore atingir 5-8 m de altura. A fruta diferente do relacionada papaia (Carica papaya) em ser mais estreitas, tipicamente inferior a 10 cm de diâmetro.
O fruto babaco é sem sementes e a pele lisa pode ser comido, e é dito que têm gostos de morango, mamão, kiwi e abacaxi. O fruto é pentagonal em forma, portanto, dando-lhe o nome científico de Carica pentagona. O fruto não é especialmente ácido, mas contém papaína , uma enzima proteolítica , que pode causar irritações ou "queima".
Uso: Pode ser consumido fresco, isolada ou misturada em saladas, também em sorvetes, iogurte, doces e gleias, além de ser um excelente complemento para pratos de carne com sabores combinados.
Propriedades: Rica em proteínas, ferro, carboidratos, etc, sem ser calórico demais, o babaco fornece ainda vitamina C.
Indicação: Babaco fruta contém quantidades substanciais da enzima digestiva, papaína. Papaína, naturalmente, quebra as ligações em proteínas. A papaína é extraído Babaco e sua fruta da papaia-mãe e vendidos em forma de comprimido para mastigar como um suplemento digestivo. Potássio nesta fruta é um componente importante de fluidos celulares e do corpo e ajuda a frequência cardíaca e controle de pressão arterial efeitos de sódio contrariar. Com a sua vitamina A, C e E atributos babaco conteúdo consideravelmente para manter a visão do olho saudável e equilibrada, que auxilia a digestão e ajuda a manter a pele saudável.
Fonte de pesquisa: Wikipédia, a enciclopédia livre, http://healthybenefits.info/, Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.


Compartilhar:

terça-feira, 21 de junho de 2016

Propriedades do Araticum

Araticum (Annona coriácea)
Nome popular: Araticum
Nomes comuns: araticum, marolo, araticum liso, araticum-dos-lisos, marolinha, araticum do campo, etc.
Nome científico: (Annona coriácea).
Origem: Brasil
Família: Annonaceae
Apresentação: Trata-se de uma fruta de casca grossa, oval e arredondado que por fora possui uma coloração marrom clara e internamente a cor é creme amarelada.
Possui polpa firme e muitas sementes e pode alcançar até 15 centímetros de diâmetro e 2 kg de peso.
Esta árvore pode chegar aos 8 metros de altura. Espécie típica do Cerrado e pode ocorrer nas vegetações Cerradão, Cerrado, Cerrado Denso, Serrado Ralo e Campo Rupestre, distribuídos pelas regiões da Bahia, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, etc.
Uso medicinal: Seu chá pode ser utilizado para combater a diarreia e aliviar cólicas menstruais.
Contém também caloria, glicídio, proteínas, lipídios, carboidratos, proteína, ferro, vitaminas A, B1, B2, C e Niacina.
Uso: De aroma forte a polpa é doce e muito apreciada para o consumo in natura ou para preparo de geleias, licores, sucos, tortas, sorvetes e iogurtes.
Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.


Compartilhar:
Próxima  → Inicio

Curta nossa página no Facebook

Postagens populares

Seguidores do Blog

Arquivos do Blog

Tradutor

Newsletter

Comentários recentes

Total de visualizações